Projetos

Riquezas do Cerrado Maranhense

Foto: Fórum Carajás

 Autor: Foto: Fórum Carajás

1-Cenários na Região

A Região Sul do Estado do Maranhão, ambiente de situação do município de São Raimundo das Mangabeiras, carinhosamente conhecido como “Coração do Cerrado” Maranhense, tem um exuberante cenário de bacias hidrográficas e áreas altamente produtivas, tanto do ponto de vista das culturas temporárias como do que a própria natureza oferece em riquezas de fauna e flora. Essas riquezas estão sendo ameaçadas pela implantação e expansão da sojicultura, da cana-de-açúcar e carvoarias, que agravam o quadro da concentração da terra, provocando o extermínio de espécies do Bioma Cerrado, expulsando famílias agricultoras do campo, principalmente a juventude, e exaurindo o solo pela prática de poderosos insumos químicos, envenenando o manancial hídrico do município.

No aspecto sócio-político, o município de Mangabeiras, tem certas vantagens em relação aos outros municípios da região, onde a sua formação agrária e agrícola (áreas produtivas e extrativistas) estão sob o domínio, ainda, de pequenos e médios proprietários tradicionais, tendo dois (02) grandiosos projetos econômicos (Soja e Cana-de-açúcar) e outros dois (02) médios projetos de extração mineral (Calcário e Argila). Mesmo assim, o município sofre pelo descaso das autoridades estadual e federal, com ausência de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento rural sustentável e solidário, principalmente as famílias agricultoras tradicionais. Isso tem gerado situações de miséria e pauperização dessas famílias, hoje tragicamente apontadas como a principal mão-de-obra escrava no País. Esforços urgentes devem ser somados no intuito de reverter este quadro injusto de distribuição de renda, promovendo a inclusão de centenas de famílias ligadas à atividade agroextrativista.

Apostando na formação política, capacitação técnica e humana, além de conscientização para o uso racional e sustentável de seu meio, a COOPEVIDA e as demais organizações aliadas acreditam que no médio e longo prazo estarão contribuindo com elevação da renda e com a preservação ambiental, resultando em melhoria da qualidade de vida das famílias. Entretanto, os maiores desafios desta e das demais instituições parceiras envolvidas neste processo de dinamização da economia extrativista local e regional têm sido:

o Necessidade de intensificar o processo de formação e capacitação das famílias extrativistas, discutindo a produção comunitária dentro da perspectiva de gênero e gerações de forma a valorizar a participação e o papel dos jovens e da mulher dentro de seu núcleo familiar. É preciso buscar meios de reverter à realidade que é quase unânime em todo território brasileiro – a falta de alternativas e estímulos à permanência do jovem rural em seu meio;

o Necessidade de fortalecer institucionalmente as associações comunitárias para que estas assumam seu papel de organizadoras da produção no espaço comunitário onde atuam, ampliando e melhorando a qualidade desta produção para posterior beneficiamento e comercialização pela COOPEVIDA;

o Necessidade de fortalecer institucionalmente a COOPEVIDA em todos os níveis de organização social. Indiretamente, fortalecer a Central de Cooperativas Agroextrativista do Maranhão – CCAMA, responsável pelo processo mercadológico nos níveis que extrapolam o das Cooperativas singulares: regional, nacional e internacional;

A COOPEVIDA está se empenhando num processo de formação e capacitação de seus cooperados(as) para o aproveitamento de toda cadeia produtiva de vários frutos nativos, dentre eles a do pequi e do coco babaçu, com aproveitamento e beneficiamento dos produtos e seus subprodutos (mesocarpo, polpas, casca, amêndoa, óleo) para uso tanto na culinária, quanto produtos de higiene e limpeza como o sabão, sabonete, além do uso medicinal. Vale ressaltar o fato da estrutura física desta cooperativa carecer de uma área adequada e suficiente para realizar as atividades relacionadas com o objetivo de envolver um grande número de

participantes, tanto que neste momento, desde sua fundação, a COOPEVIDA tem contado com o apoio do STTR municipal que lhe concede, dentre tantas coisas, o salão de reuniões, para essas atividades de formação e capacitação. Esta demanda vem se ampliando cada vez mais e tornando-se mais urgente na medida em que se avança na luta por organização e envolvimento das famílias de agricultores extrativistas – numa luta que é para manter o Cerrado em Pé e dar maior qualidade de vida para os Povos do Cerrado Maranhense.

Para isso, o apoio da CASA torna-se importante. Dentro do nosso planejamento estratégico participativo é urgente ampliar o processo de capacitação de seus cooperados na área da qualificação da produção de polpas de frutas do Cerrado para (i) atender os mercados disponíveis, (ii) consolidar nossa inserção no Programa de Aquisição de Alimento (PAA) e no Programa da Alimentação Escolar (PAE) e (iii) continuar a luta pela conservação do cerrado Maranhense, são objetivos institucionais que a COOPEVIDA se esforça coletivamente em realizar na perspectiva do modelo de desenvolvimento sustentável e solidário.

2- Qual PROBLEMA você pretende enfrentar nesse projeto?

O problema da falta de apoios contínuos a atividades não reembolsáveis referentes a uma formação e qualificação técnica aos responsáveis pela produção semi-industrial das polpas de frutas do Cerrado em Mangabeiras-MA da COOPEVIDA. Pois, desde o ano passado (2009) a COOPEVIDA vem enfrentado um grande desafio de manter sua credibilidade e regularidade na apresentação com qualidade dos produtos agroextrativistas junto aos contratos, principalmente com os mercados locais (supermercados e panificadoras) e com a Prefeitura Municipal de São Raimundo das Mangabeiras-MA, no Programa de Alimentação Escolar (PAE), essas duas oportunidades de geração de trabalho e aumento da renda das famílias cooperadas exigiu que a cooperativa demandasse esse pequeno e importante projeto.

3- OBJETIVOS

Objetivo geral: Aperfeiçoar o processo de produção semi-industrial de produtos agroextrativistas da COOPEVIDA, gerando mais ocupação e aumento da renda das famílias cooperadas e promovendo a conservação do Bioma Cerrado Maranhense.

4. Objetivos específicos:

4.1. Capacitar toda a equipe responsável pela produção semi-industrial das polpas de frutas;

4.2. Qualificar a apresentação dos produtos agroextrativistas aos mercados: local e regional;

4.3. Ampliar a equipe de produção na cooperativa para criar melhores condições de inserir seus produtos no mercado e atender demanda do programa PAE – MERENDA ESCOLAR;

5. Divulgar e disseminar as iniciativas dos produtos agroextrativistas da cooperativa como forma de construir um desenvolvimento sustentável e solidário no município.

6. Justificativa:

Desde a sua fundação a COOPEVIDA (1992) tem por objetivo conseguir melhoria na qualidade de vida dos seus sócios através da geração de renda pelo aproveitamento dos frutos nativos do cerrado, bem como, a implantação de sistemas agroflorestais – SAF’s com componente principal a produção de árvores frutífera para produção de polpa de frutas, doces, licores, geléias, etc. E também a preservação ambiental com a conservação da vegetação nativa nas margens dos riachos e demais áreas com produção de espécies nativas frutíferas.

Nestes 18 anos de trabalho a COOPEVIDA conseguiu sensibilizar grande parte da população para preservação ambiental e implantação de sistemas agroflorestais, mas nunca conseguiu consolidar efetivamente a cadeia de produção frutífera no município. A COOPEVIDA vê a oportunidade de consolidar o desenvolvimento de toda a cadeia produtiva de frutas da região mais recentemente com a possibilidade do investimento de recursos na região para consolidação do Território de Desenvolvimento Rural Sustentável Cerrado Sul Maranhense.

Com a possibilidade desse apoio da CASA/IAF o elo se estreita cada vez mais na construção e consolidação da cadeia produtiva de frutas do Cerrado, uma vez que até o momento os agricultores conseguem praticamente produzir e vender os produtos in natura não sendo detentores de todo o processo e ficando a mercê dos atravessadores.

A relação mútua entre agricultura e indústria foi um dos fatores notáveis do processo de crescimento da economia dos países hoje desenvolvidos. Historicamente, está provado que o crescimento desses dois setores da economia é estreitamente entrelaçado e um depende intimamente do outro para crescer (Silveira & Leite, 1991). O que falta ao município de Mangabeiras é fator industrial, pois já possui forte produção frutífera e precisamos melhorar nossa capacidade de acabamento e qualificação técnica dos responsáveis na cooperativa por este setor agroindustrial, gerando ocupação e aumentando a renda familiar, principalmente das mulheres e jovens cooperados(as).

O município apresenta várias razões para implantação deste processo produtivo entre eles estão:

• Enorme potencial frutífero tanto nativo como plantado;

• Previsão de grande aumento de área plantada para os próximos anos;

• Incentivo a preservação das espécies frutíferas nativas;

• Produção de polpas de frutas para abastecimento do município e região com qualidade e de acordo com as normas legais para produção de alimentos saudáveis;

• Geração de ocupação e aumento da renda para os agricultores e o município; ampliação da circulação nos mercados.

As prioridades da instituição são: produção e comercialização agroextrativista e implantação de 01 viveiro agroflorestal com capacidade para 50 mil mudas/ano nos próximos cinco anos. A produção de mudas de qualidade é um dos primeiros passos para a formação de novas áreas previstas de frutas no município, tem que se realizar um sistema de seleção das plantas matrizes para que possa futuramente instalar pomares resistentes, livres de doenças e com elevada capacidade de produção.

A COOPEVIDA deverá acumular experiências e qualificação com o apoio deste edital associado a realização do processamento de frutas nativas e implantadas no município de Mangabeiras em especial frutos do buriti, cajá, caju, acerola e goiaba. Para isso estaremos juntos a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Naturais solicitando a emissão do licenciamento ambiental do empreendimento e fazendo a consulta ao Ministério da Agricultura para a inspeção do local onde a unidade e sua equipe responsável qualificada serão constituídas.

O projeto contará com diferentes tipos de ações nas unidades familiares, comunidades tradicionais e assentamentos. Serão realizadas as coletas dos frutos, aumento da área plantada de frutas com a implantação de agro-quintais, necessitará de assistência técnica a fim de melhorar as condições dos plantios como adubações, utilização de tecnologias de produção adequada, infraestrutura básica como luz, água e estradas.

No município será instalada a unidade de beneficiamento. Deverá ser elaborado estratégia de operação ou plano de logística para coleta e transporte dos frutos até a sede para o beneficiamento.

São inúmeros os benefícios esperados com o apoio destinado a este projeto, isso tudo, encaixado ao processo de beneficiamento das frutas, ao plano ambiental para conservação das áreas de reservas legais e APP onde estão localizados a maioria dos buritizais nativos da região, além da preservação do cerrado com as áreas de concentração de cajá e caju nativo. Os sistemas agroflorestais para agricultura familiar revelam seu poder de geração de menos impactos ao meio ambiente quando comparado às tradicionais culturas implantadas devido a sua metodologia assemelhar os ecossistemas naturais.

A geração de renda é outro fator muito importante os agricultores conseguiram finalmente proporcionar o aproveitamento total de sua produção. Com a geração de renda aumentará as condições dos agricultores conseguirem manter toda a sua família reunida trabalhando no campo. Finalmente com o aperfeiçoamento desse processo produtivo na região se diminuirá a atividade de processamento dos frutos na clandestinidade sem a qualidade devida, refletindo na melhoria da alimentação dos consumidores.

Realização:Cooperativa Agroecológica pela Vida de São Raimundo das Mangabeiras – COOPEVIDA.

Parceria: Fórum Carajás

Apoio: CASA

Por: COOPEVIDA

www.forumcarajas.org.br

Confira
mais