Notícias

Poluição destrói gradativamente rios de São Luís/MA

Rios como o Paciência, Jaguarema, Pimenta, Cururuca e Calhau são alguns que já estão com suas águas muito poluídas

SÃO LUÍS - A população da Ilha de São Luís vem, ao longo dos anos, assistindo à degradação gradativa de rios, causada pela poluição, principalmente derramamento de esgoto in natura, o que os tem transformado em apenas córregos ou, pior, em canais. Alguns rios que nascem na Ilha e deságuam nas praias estão quase mortos. Alem da questão ambiental, o problema é agravado pelo fato de muitos destes rios contribuírem para o abastecimento de água potável de bairros.

Rios como o Paciência, Jaguarema, Pimenta, Cururuca e Calhau são alguns que já estão com suas águas muito poluídas. De acordo com o promotor de Justiça da Promotoria Especializada em Proteção do Meio Ambiente, Urbanismo e Patrimônio Cultural, Luís Fernando Barreto, o rio Calhau é o que está em pior situação.

- É um problema crônico. Acredito que é o que está com a situação mais séria. Em seu curso já se observa, praticamente, só resíduos de esgoto -, afirma o promotor.

De acordo com o engenheiro ambiental e professor universitário Lúcio Antônio Alves de Macedo, os problemas dos pequenos rios de São Luís são praticamente os mesmos: esgotos, lixo, assoreamento causado pela retirada das matas ciliares e ocupação das margens.

- Na década de 90, observamos os primeiros efeitos dessas ações negativas. Na época, foi requerido um estudo por parte da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, mas até hoje nenhum planejamento foi realizado -, ressalta Lúcio Macedo, que revela já ter entrado em contato com a secretaria várias vezes, com outros profissionais da área e até mesmo estudantes, mas a alegação sempre é de que não há recursos para realizar ações positivas com relação aos rios da Ilha.

- Realmente, projetos para a área de meio ambiente são caros, mas, para obter o recurso necessário, é preciso fazer estudos detalhados, para, então, elaborar o projeto e tentar angariar fundos. Sem esses dois últimos, nunca se terá dinheiro -, explica o engenheiro ambiental, que fez parte do projeto do Italuís.

Conseqüências

Enquanto não há projetos e recursos para a tentativa de preservação ambiental, os rios estão a cada dia sofrendo as conseqüências do crescimento da cidade e da falta de consciência ambiental da população. O rio Pimenta é um exemplo. Ele passa pelos bairros Turu, Cohaserma, Cohajap e Parque Vitória e é um dos que está com alto nível de poluição, o que chamou a atenção do Ministério Público. Na praia do Caolho, onde ele deságua, antes do seu encontro com o mar, forma uma represa natural, que parece uma lagoa, só que de esgoto.

- Identificamos grande contaminação do rio por meio dessa água represada. Fomos, então, seguindo o seu curso e descobrimos outros crimes ambientais -, informa Fernando Barreto.

Ao longo do rio, que é intermitente, as águas estão turvas e com mau cheiro, sendo ladeadas por lixo jogado às margens pelos próprios moradores das áreas onde ele passa. “O esgoto é proveniente, principalmente, de condomínios que foram construídos à margem do rio. Apesar da existência de rede de esgoto, em alguns pontos os dejetos são lançados diretamente nas águas do Pimenta”, denuncia o promotor, que, no último dia 18, enviou o ofício de nº 037/2007 à Sema, solicitando a identificação de todas as obras que estão sendo realizadas às margens do rio, assim como os pontos de lançamentos de esgotos, além da autuação e imposição de sanções administrativas (até mesmo o embargo), quando for necessário.

Confira
mais